sábado, 14 de julho de 2012

Calmaria

O silêncio pressionando a cara no asfalto. A paz, maldizendo meus restos irritantes, doutrinando minha alegria mais recente, ninando a calmaria dos cômodos com sorrisos fervorosos e música baixinha. Porque faço da luz acesa na cozinha candeeiros supersônicos desta risadinha que não quer parar. Leio um livro (talvez), faço costura (quem sabe), preparo um jantar a dois (provavelmente) e esta mansidão que me aquece a boca por dentro tem respeitado apenas por hoje. Meus anseios mais discretos de confabular com a solidão. Beijo parede por parede. Acarinho o chão da cozinha (apenas meus pés o vão tocar). Incito o ciúme guardado por cada pedaço de tijolo que depois de hoje nunca foi tão meu. Inauguro taças de vinho (a noite é fria e a ocasião especial), o cigarro mais prazeroso do que noite passada. Porque a vida vai habitando com cortesia os músculos e garanto, caso Deus tivesse me dado um pau a satisfação deste dia me faria o homem mais viril da cidade. Porque é preciso todo argumento da potência pra ser feliz em meio ao caos.

video